quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

A política e os amigos


A política e os amigos - Roberto Barbato Jr

É impossível não perceber que passamos por um momento de intenso debate político. Mesmo aqueles que não nutrem apreço por discussões, acabam por tomar partido dessa ou daquela posição. Malgrado em alguns casos não tenham ciência do que professam, são enfáticos em suas manifestações. Publicam sua opinião ainda que ela não seja moldada por argumentos sólidos e reflexões ponderadas. Porventura, muitos trazem-na à baila por mera necessidade de esbravejar, marcar algum ponto sabe-se lá com quem.

De fato, nesses tempos de discussões tão acaloradas, é difícil se manter silente, sem se manifestar ao menos uma vez, seja lá de que maneira for. Desde que irrompeu o debate sobre o impeachment da Dilma nos meios de comunicação de massa, nas redes sociais e nas mesas de bar, tenho visto inimizades brotarem, ataques pessoais destruírem amizades sólidas e relações de alguma simpatia. A política tem se prestado, como nunca, a arruinar amizades, o que, convenhamos, jamais deveria acontecer. No entanto, nem sempre ficamos imunes a isso.

Lembro-me, com vergonha, que optei por me afastar de amigos em virtude de posturas ideológicas dissonantes das minhas. Jamais me indispus com eles. Todavia, releguei seus contatos a segundo plano e, pouco a pouco, deixei de alimentar laços que poderiam ter perdurado até hoje. Cuidava-se, sem dúvida, de uma postura insensata, mas escusável pelas circunstâncias e idiossincrasias da pouca idade. Se não podiam entender meu fascínio pela obra de Chico Buarque ou a importância das Diretas Já, não serviam para minha companhia; se preferiam Caiado à Lula, era porque representavam interesses que, mesmo não manifestos, não podiam estar ao meu lado; se não conheciam Ulisses Guimarães e votavam em Collor, estavam a desejar a manutenção da ordem aristocrata e, por isso, não podiam ser meus amigos. O maniqueísmo e a intransigência eram notas fortes naquele período e eu, por ironia, as abracei.

Felizmente, o tempo sempre cobra mudanças. Na época de faculdade, alguns colegas de classe do curso de Ciências Sociais eram de filiação política diferente da minha e, ainda assim, sentávamos para tomar cerveja e arrostar credos ideológicos. Tudo na mais absoluta paz. Hoje, dois grandes amigos, duas das pessoas mais inteligentes e cultas que conheço pessoalmente – Pedro Meira Monteiro e Conrado Pires de Castro – apoiam integralmente o governo petista. São intelectuais brilhantes, mas, antes de tudo, admiro-os como amigos e jamais deles me distanciaria por uma questão político-ideológica.

Atualmente, incomodo-me quando noto que, entre amigos, surgem discussões sem sentido, por conta de uma expressão menos sutil ou um xingamento deliberado a este ou aquele político, a esta ou aquela personalidade pública. Vejo pessoas queridas e outras pelas quais tenho simpatia escrevendo sobre suas convicções e, mesmo quando distam das minhas, tento encará-las com serenidade. Sinto que o afastamento de amizades se ampare na incapacidade de se perceber que o reino da política é essencial para a vida gregária, mas impassível de se sobrepor aos sentimentos de humanidade e respeito que devemos cultivar de forma intransigente.

Entre a política e os amigos, fico com eles.

Nenhum comentário: