sexta-feira, 27 de julho de 2012

Lasik. Descolamento do epitélio. Erosão do epitélio. Complicações Lasik. Conjuntivite pós-Lasik.

Lasik. Descolamento do epitélio. Erosão do epitélio. Conjuntivite pós-Lasik

Dentre todas as vantagens da internet, uma delas é a socialização de ideias, de conhecimentos e de experiências. Por inúmeras vezes, procurei o relato de alguém que tivesse algo a dizer sobre um determinado assunto. Há pouco tempo, por exemplo, antes de me submeter à cirurgia Lasik, busquei relatos de pacientes que a tivessem realizado. Encontrei farto material descritivo da cirurgia, mas não me deparei com narrativas pessoais que pudessem atender às minhas inquietações.

Depois de feita a cirurgia, em virtude de uma pequena complicação, continuei investigando informações e vi apenas um único e breve comentário sobre complicação similar. Não bastasse, após um mês de transcorrida a Lasik, fui acometido por uma intensa conjuntivite.

Supondo que a experiência que tive possa ser útil a alguém, resolvi escrever sobre ela. O texto que segue não tem a menor intenção de ensinar qualquer coisa a quem quer que seja. Trata-se apenas de um relato pessoal. Nada além disso. Antes de iniciá-lo, para os desavisados ou incautos leitores, fique claro também que este blog jamais teve a pretensão de lidar com qualquer assunto ligado à área de saúde. Siga-se.

No inverno de 2007, por volta das seis horas da manhã, acordei com uma intensa dor no olho esquerdo. Não sabia o que havia acontecido, mas tinha a sensação de que algo tinha penetrado meu olho. Acabei coçando-o e, naturalmente, agravei ainda mais a dor que sentia. Consegui consulta com um oftalmologista que logo diagnosticou o problema: tratava-se de uma erosão epitelial. Para quem não sabe, o epitélio é aquela membrana que recobre e protege os olhos. Também tem a função de ajudar a enxergar. Durante aquela madrugada, ocorreu algum ressecamento e, quando abri os olhos, o epitélio havia aderido na pálpebra (ou vice-versa). A decorrência desse processo foi uma abertura abrupta do epitélio, o que também causou muita dor e um embaçamento na visão do olho esquerdo. Por óbvio, quando a erosão acontece na área central do olho, a visão fica realmente embaçada. Foi exatamente o que ocorreu naquela circunstância. Todavia, após 48 horas, o epitélio havia sido reconstituído e o embaçamento, sumido. Transcorrida uma semana, tudo estava bem novamente.

Depois daquela vez, outras tantas aconteceram, tanto na área central do olho, quanto na área periférica. Nenhuma, contudo, foi tão grave e dolorida.

Com o passar do tempo, compreendi que deveria evitar qualquer tipo de ressecamento ocular. Isso era ainda mais evidente quando cuidava-se do período noturno. Passei a pingar colírios lubrificantes com assiduidade, sobretudo antes de dormir.

Até então, a possibilidade de eu fazer a cirurgia refrativa era praticamente nula. Quando me perguntavam a respeito do assunto, dizia que morreria usando óculos e que não tinha a menor intenção de me submeter a qualquer tipo de cirurgia ocular que não fosse, futuramente, a catarata.

Em fevereiro desse ano, após conversar com um grande amigo que havia feito a cirurgia, percebi que a vida sem óculos poderia mesmo ser bastante agradável. Pouco a pouco, fui seduzido pela ideia de me submeter à cirurgia refrativa, embora ainda tivesse muito receio em decorrência da peculiaridade do meu epitélio. Consultei alguns médicos, relatando a todos os problemas de erosão epitelial que tive e colhi várias opiniões. Nenhuma delas, contudo, contraindicava a cirurgia. Ou seja, embora tivesse os olhos relativamente ressecados e o epitélio frágil, eu poderia me submeter ao procedimento cirúrgico.

Escolhi o médico que realizaria a cirurgia. Por razões óbvias, não irei mencionar aqui seu nome. Fiz mais duas consultas com ele para me assegurar de que não teria problemas pós-operatórios em decorrência da fragilidade epitelial. É evidente que jamais pretendi qualquer garantia. Em medicina isso não existe. A inexistência de certeza é, paradoxalmente, a única certeza da medicina. Eu já havia apreendido isso em outra situação, bem mais adversa.

O que desejava, ao menos para a cirurgia refrativa, era garantir que o médico tivesse plena ciência das minhas especificidades. Assim, poderia, caso necessário, intervir da maneira oportuna. Enfim, estava em busca de um cuidado básico, elementar.

A cirurgia

No dia 29/03/2012, enfim, fui submetido à Lasik. Não senti nenhuma dor e tampouco qualquer desconforto significativo. Após o procedimento, o médico colocou uma lente de contato em cada olho e me mandou de volta para casa.

No caminho de São Paulo a Campinas, tive sensações diferentes de todas aquelas que me foram relatadas. Enxergava tudo embaçado e não conseguia ficar de olhos abertos. Diziam-me, antes da cirurgia, que logo após a aplicação do laser, o paciente já sai olhando a tudo com nitidez. Pinguei os colírios indicados pelo médico e tomei todos os cuidados recomendados.

No dia seguinte, ao entrar na sala do cirurgião para o primeiro retorno, recebi a notícia:

- Ontem, durante a cirurgia, você teve um descolamento do epitélio.

Perguntei se o descolamento havia ocorrido nos dois olhos. A resposta foi afirmativa. As lentes de contato, colocadas após a cirurgia, foram retiradas e continuei a enxergar embaçado.

O médico então me disse que não sabia da fragilidade do epitélio. Atribuiu-a a uma circunstância que não vem ao caso mencionar. Todavia, disse-me que não tinha ciência das condições dos meus olhos, que não poderia se “lembrar de todo paciente” e, para fechar com chave de ouro, que “esqueceu de anotar na minha ficha”. Apesar de ouvir tanto absurdo de uma só vez, mantive a calma e acreditei que aquilo seria passageiro, como de fato foi.

As pessoas que já tinham feito a Lasik ou PRK diziam que era assim mesmo, que aquele embaçamento ao qual eu me referia era normal. Era difícil fazê-las compreender que algo havia dado errado no procedimento cirúrgico.

A ideia que se vende por aí é que nos dois primeiros dias após a cirurgia tudo volta ao normal, ou seja, todo o desconforto e incômodo desaparecem, remanescendo apenas uma leve sensação de embaçamento. Pois bem, nas 48 horas sucessivas à cirurgia, eu enxergava como se tivesse um plástico bolha na frente de tudo. Minha visão não estava apenas com embaçamento, mas com uma lâmina de plástico chamuscada.

A administração do colírio antibiótico sugerido pelo médico (Zypred) foi fundamental para que o epitélio iniciasse, em ambos os olhos, o processo de aderência. Aos poucos, bem aos poucos, tudo foi voltando ao normal. O olho esquerdo demorou muito mais que o direito para ficar “bom”. Foram tantos os testes de acuidade visual que fiz sozinho, que já nem me lembro mais quais eram as referências.

De forma resumida – e perdoando-me pelos lapsos que a memória é capaz de produzir –, poderia sintetizar assim o primeiro mês após a cirurgia:

Primeira semana – nos dois primeiros dias, tudo muito embaçado. No terceiro dia, consegui assistir televisão com algum conforto. Ler de perto, nem pensar. Impossível trabalhar na frente do computador.

Segunda semana – idem à primeira com melhoras para trabalhar com computador.

Terceira semana – ler de perto passou a ser algo viável.

Quarta semana – 70% dos problemas resolvidos. Ainda havia algum embaçamento no olho esquerdo. O olho direito estava ótimo, mas o esquerdo o atrapalhava para ler.

Enfim, após um mês, tudo caminhava bem. Aos poucos, a visão de cada olho ia se restabelecendo. Foi então que surgiu um outro problema temido por quem se submete a uma cirurgia refrativa: uma infecção (conjuntivite).

A conjuntivite

Um mês depois da cirurgia, mais precisamente em 30/04/2012, véspera de feriado nacional, meu olho esquerdo ficou vermelho, sem que eu o tivesse coçado. Aquilo que eu mais temia havia acontecido. Estava em curso uma conjuntivite.

Fui ao médico logo após o feriado. Qual médico? Aquele que havia me operado. Voltei a consultá-lo porque entendi que, sendo já conhecedor do problema havido na cirurgia, poderia me prescrever um tratamento ideal, em sintonia com a peculiaridade da minha situação. Enfim, precisava que ele me examinasse e me desse um diagnóstico. Quando entrei em sua sala, pasme, quase apanhei. Pois é. Pode parecer que eu esteja fazendo alguma pilhéria, mas não se trata disso. O médico ficou furioso comigo, como se eu fosse o culpado pela contaminação. Depois de tanto transtorno e a expectativa de melhora rápida, fui acometido pela conjuntivite e ainda tive de ouvir sermão do médico. Como dizem os mais pessimistas, nada é tão ruim que não possa piorar. Tive de me afastar do trabalho no escritório e das atividades docentes.

No início, a tal conjuntivite não apresentou os sintomas usuais, sobretudo a sensação de areia nos olhos. Demorou uma semana para que isso acontecesse. E foi somente depois desse tempo que o olho direito foi acometido pela infecção.

O tratamento que eu estava fazendo era simples: pingava colírios indicados, limpava o olho com água boricada ou soro fisiológico e, naturamente, administrei antibiótico via oral, de oito em oito horas.

Em uma semana, a conjuntivite passou do olho esquerdo para o direito. Veja bem, não estou dizendo que a infecção deixou de existir no esquerdo para migrar ao direito. Nem pense nisso. O olho direito foi, também (et pour cause), acometido pela conjuntivite.

No dia 08/05/2012, no período da tarde, estava naquela toada de fazer compressa e aguentar o mal-estar nos olhos. Comecei a sentir uma dor intensa no olho direito. Após relutar um bocado, decidi ligar para o médico para pedir algum medicamento capaz de atenuar aquela dor. A secretária dele sugeriu que eu passasse pelo consultório para pegar a receita de um remédio potente, apto a elidir o sofrimento. Como teria de ir até lá, não custaria nada que o médico me visse. Cuidando-se de encaixe, tive de esperar na antessala por algum tempo. A dor, que era enorme – reitere-se – continuava.

Quando, enfim, o médico me examinou, disse-me que não acreditava como estava aguentando a dor. Metade do epitélio do meu olho direito não existia. Ou seja, no processo da infecção, o epitélio se rompeu e eu fiquei sem proteção na área central do olho. Não era por outra razão que eu não enxergava nada, absolutamente nada com o olho direito.

Quanto ao olho esquerdo, tive outro problema: uma pequena infiltração tinha acontecido. A infecção tinha atingido uma das camadas da córnea (foi isso que entendi).

Para recuperar o epitélio, foi-me indicado o Epitezan, uma pomada rica em vitamina “A” que ajuda a “reepitelização” do olho. Numa pessoa que não tenha problemas no epitélio, esse processo de reconstituição não demora mais do que 24 ou 48 horas. Para mim, demorou mais de uma semana.

No dia 09/05, resolvi trocar de médico. Conforme já disse, não vou declinar o nome daquele que fez a cirurgia em mim. Não o considero um mal profissional, mas, por motivos pessoais, preferi recorrer a outro médico que já havia me atendido. Foi com ele que terminei o tratamento da fase aguda. É ele, aliás, que está me acompanhando até hoje e que merece elogios aos magotes. 

Voltando ao assunto. Com o olho direito sem epitélio e o esquerdo ainda infectado, minha visão era demasiado precária. Não conseguia abrir o olho direito e, para reconstituir seu epitélio, deveria ficar o mais que pudesse com ele fechado. O esquerdo me possibilitada ver o básico, andando sem esbarrar em nada e tomar banho.

A sensação que se tem ao ficar cego de um olho é horrível. Quem tem os dois olhos funcionando bem, não faz ideia do que é perder a quase totalidade da visão de um deles. Pois a minha visão foi voltando aos poucos, exigindo de mim muita paciência. No início, não via nada. Depois, um vulto. Após algum tempo, o vulto começava a assumir uma forma. Mais adiante, a forma passava a ser dotada de cor e limites. Depois, só depois de um bom tempo, a visão voltou ao “normal”.

Era impressionante a resistência da infecção. Debelá-la parecia impossível, mesmo com tantos cuidados, administração rigorosa de remédios e fé. Quando se imaginava que as coisas caminhavam para o desfecho, abria-se nova situação com problema diverso. A sensação de impotência era enorme e bastante opressora.

A essa altura do campeonato já não sei mais dizer como deveria ser minha visão após a cirurgia. Hoje, ainda faço tratamento para que os olhos não fiquem inflamados (estou usando corticoide). Todavia, a visão ainda está por se “acomodar”, agora de maneira mais rápida e, felizmente, sempre progressiva.

A dois dias de completar quatro meses de cirurgia, estou com o olho esquerdo muito bom para enxergar para longe. O direito ainda tem um sutil embaçamento que talvez decorra da má qualidade do epitélio. Quando preciso ler alguma coisa de perto, uso óculos de um grau de hipermetropia. É certo que ainda há tempo para ver o que acontecerá. Creio numa recuperação lenta, mas capaz de me atribuir uma visão muito boa nos dois olhos. 

Muitas sensações, expectativas e insegurança rondaram minha consciência durante o tempo em que enfrentei esses problemas todos. Cheguei mesmo a imaginar que a infecção poderia chegar a tal ponto que ficaria cego dos dois olhos. Em princípio, a ideia pode parecer absurda, mas, para quem está no olho do furação, é de se perdoar eventual exagero.

Embora saiba que esse relato é singular, não servindo para outra pessoa balizar qualquer conduta, tenho a convicção de que ele poderá ser útil de alguma forma. Publicá-lo aqui no blog não era minha intenção. Todavia, em virtude dos motivos apresentados no início deste post, entendi por bem não me furtar a fazê-lo.

Por fim, não poderia deixar de registrar e agradecer às pessoas que tiveram participação fundamental na minha recuperação, inclusive outros médicos (um deles me atendendo até por telefone). Igualmente, agradeço aquelas que, embora não contribuindo diretamente para meu restabelecimento, resolveram problemas rotineiros que eu não poderia resolver. Não preciso citar seus nomes. São pessoas queridíssimas. Cada uma delas sabe a medida da ajuda que me deram. Espero que tenham ciência do tamanho do meu carinho por todas elas.

Em tempo: o título deste post foi propositalmente feito como uma espécie de key-words para auxiliar a quem procure por material sobre o assunto. E nisso, repito, não há nenhuma pretensão de ordem médica.

23 comentários:

Alice Garcia disse...

Pipo,
Que história hem ??
Bom que deu tudo certo.
Na medicina não tem jamais nem nunca, e esses revezes as vezes aparecem.
Voce descreveu muito bem sua experiencia, dividindo os medos e os sucessos.
Agora deve estar tudo resolvido,
Otima sorte para vc e me me=ande noticias.
Forte abraço
Alice

Marcelo Almeida disse...

Cada pessoas tem uma forma de reação diferente msm, eu fiz a minha ontem, nao senti nenhum tipo de dor nem desconforto, o olho so esta vermelho, mais sem nenhum tipo de incomodo e a visao um pouco embaçada, mais muito pouco mesmo, estou vendo praticamente 100 % do que via com oculos, fiz retorno hoje e o medico q esta tudo perfeitamente beem, desejo sorte a todos que fizerem e pela minha experiencia, vale a pena fazer siim galera, faria de novo se necessario .. vc se sente outra pessoa, Boa Sorte a Todos !

Marcos Santana disse...

Ufa! ...que sufoco, hem Doutor??!!!
Encontrei este Link, pesquisando, à busca de alguma referência, para me balizar na decisão de me submeter a uma cirurgia para correção de hipermetropia, astigmatismo e presbiopia (tenho 59 anos).
Logo no início, percebi que o texto merecia atenção, já que se tratava de autor de muito conhecimento e que preocupava realmente em informar com isenção.
Faço votos para que o Doutor recupere definitivamente a boa visão.
Fico agradecido, de minha parte, por ter postado tão valiosos esclarecimentos.
Meu cordial abraço!

Marcos Santana disse...

Ufa! ...que sufoco, hem Doutor??!!!
Encontrei este Link, pesquisando, à busca de alguma referência, para me balizar na decisão de me submeter a uma cirurgia para correção de hipermetropia, astigmatismo e presbiopia (tenho 59 anos).
Logo no início, percebi que o texto merecia atenção, já que se tratava de autor de muito conhecimento e que preocupava realmente em informar com isenção.
Faço votos para que o Doutor recupere definitivamente a boa visão.
Fico agradecido, de minha parte, por ter postado tão valiosos esclarecimentos.
Meu cordial abraço!

Denise Batista disse...

Só quem tem a erosão do epitélio aprende a acordar e depois abrir os olhos! Valeu pelas informações. Grande abraço.

Gabriel Favero disse...

O lasik destruiu a minha visão. Depois pesquisando descobri que invariavelmente o lasik melhora a sua "quantidade" de visão mas muitas vezes pioram a sua "qualidade de visão". Razão pela qual os médicos que operam lasik não costumam fazer teste de ofuscamento. O olho seco já está documentando como 40% nos casos de pessoas submetidas a criação de flaps. Lasik é um absurdo e vem sendo proibido em países mais sérios. Nunca submeta sua córnea a um procedimento desses! Digo por experiência própria,

Marcela Reinhardt disse...

http://lasikminhaexperiencia.blogspot.com.br/

Aqui eu tenho relatos da minha experiência com a cirurgia. Nem tudo são flores, mas estou muito contente!

Anônimo disse...

NOSSA, QUE SUFOCO!
ENCONTREI SEU DEPOIMENTO, BUSCANDO INFORMAÇÕES SOBRE O EPITÉLIO. SOU TRANSPLANTADA DO OLHO ESQUERDO, COM VISÃO SUBNORMAL NO OLHO DIREITO. COM OS PONTOS "FROUXOS", SURGIU UMA INFLAMAÇÃO NO EPITÉLIO, O QUAL FOI RETIRADO COM URGÊNCIA.
FELIZMENTE A RECUPERAÇÃO ESTÁ LENTA, PORÉM, PROGRESSIVA.

O CERATOCONE FOI A DESTRUIÇÃO DA MINHA VISÃO.

Natália disse...

Eu fiz uma lasik em 19/03/2015. 11 dias depois meus olhos começaram a coçar e eu retornei ao médico que me disse que eu estava com conjuntivite. Da mesma forma que você, não senti que tive um tratamento adequado. Parecia que ele estava com medo de que contaminasse todo o seu consultório. Me senti horrível! Mas iniciei o tratamento que ele me indicou (uso de vigadexa, mesmo colírio do pós-operatório, além do colírio lubrificante). Uma semana depois, na terça feira, com meu quadro muito pior do que antes, retornei ao médico. Ele olhou meu olho rapidinho, disse que a conjuntivite era viral e me pediu para continuar com o antibiótico por mais dez dias. Na sexta-feira estava insuportável. Não conseguia nem abrir os olhos, de tanta dor. Se eu olhava para o lado doía. Estava lacrimejando muito. Olhos extremamente inchados. Procurei outro profissional. A médica que me atendeu foi muito atenciosa, avaliou realmente o meu olho e percebeu que eu precisava fazer uma raspagem. Se eu não tivesse feito isso estaria no mesmo sofrimento até hoje... Depois disso o olho começou a melhorar. No dia seguinte começou a desinchar, e dois dias depois melhorou bastante o aspecto vermelho. Ainda estou com conjuntivite, após 14 dias de tratamento, mas não dói mais, pelo menos. O que me preocupa é que estou enxergando tudo turvo, como se tivesse algo gelatinoso dentro do meu olho, com dificuldade de ler tanto de perto quanto de longe. Não sei se é normal... Espero que melhore logo.

Natália disse...

Eu fiz uma lasik em 19/03/2015. 11 dias depois meus olhos começaram a coçar e eu retornei ao médico que me disse que eu estava com conjuntivite. Da mesma forma que você, não senti que tive um tratamento adequado. Parecia que ele estava com medo de que contaminasse todo o seu consultório. Me senti horrível! Mas iniciei o tratamento que ele me indicou (uso de vigadexa, mesmo colírio do pós-operatório, além do colírio lubrificante). Uma semana depois, na terça feira, com meu quadro muito pior do que antes, retornei ao médico. Ele olhou meu olho rapidinho, disse que a conjuntivite era viral e me pediu para continuar com o antibiótico por mais dez dias. Na sexta-feira estava insuportável. Não conseguia nem abrir os olhos, de tanta dor. Se eu olhava para o lado doía. Estava lacrimejando muito. Olhos extremamente inchados. Procurei outro profissional. A médica que me atendeu foi muito atenciosa, avaliou realmente o meu olho e percebeu que eu precisava fazer uma raspagem. Se eu não tivesse feito isso estaria no mesmo sofrimento até hoje... Depois disso o olho começou a melhorar. No dia seguinte começou a desinchar, e dois dias depois melhorou bastante o aspecto vermelho. Ainda estou com conjuntivite, após 14 dias de tratamento, mas não dói mais, pelo menos. O que me preocupa é que estou enxergando tudo turvo, como se tivesse algo gelatinoso dentro do meu olho, com dificuldade de ler tanto de perto quanto de longe. Não sei se é normal... Espero que melhore logo.

oliver disse...

Ola doutor. Ola pessoal. Pesquisando sobre complicações do lasik encontrei a pagina. Se tivesse digitado no Google "complicações do lasik" e não apenas "cirurgia refrativa", jamais teria me submetido a tal procedimento. Venho lendo relatos pela rede para redigir um bom relato pro meu caso. Minha intenção não eh assustar ninguém, pois foi justamente por ver amigos se livrando dos óculos e estão bem agora eh que decidi fazer a minha. Mas fui precipitado e me sinto enrolado pelo médico. E meu texto será justamente para alertar sobre as estratégias de médicos picaretas para convencer o paciente a fazer a cirurgia. E cá pra nós, os riscos não são tão pequenos quanto a propaganda diz

oliver disse...

Oi natalia. Como você está agora? Fiz a minha em 30 de junho de 2015 e tão logo sai da mesa de cirurgia já sabia que não tinha feito uma boa escolha. O tratamento da clínica mudou tão logo iz a cirurgia. Hoje meus olhos estão completamente secos. Parece que troquei os óculos pelo colírio.

Lady Angel disse...

Nossa. Que história! A minha fez 20 dias. Ta embacando. To c mefo! Não qyero usar fundo de garrafa dinovo

Thais Rodrigues da Silva disse...

Vc está melhor? Tbm operei há três meses sob a téc lasik, tive dificuldades e há cerca de duas semanas descobrir a causa da minha dor, uma bactéria q com o remédio adequado, estou apresentando um quadro de melhoras, mas depois de mto sofrimento e agonia, por não poder sair de si, qdo percebi que havia perdido uma parte de mim. E por um bom tempo achei q a dor era por conta do olho seco, mas a infeccão pela qual fui submetida era o maior agente causador da dor.

Thais Rodrigues da Silva disse...

Como vc esta?

Thais Rodrigues da Silva disse...

Vc está melhor? Tbm operei há três meses sob a téc lasik, tive dificuldades e há cerca de duas semanas descobrir a causa da minha dor, uma bactéria q com o remédio adequado, estou apresentando um quadro de melhoras, mas depois de mto sofrimento e agonia, por não poder sair de si, qdo percebi que havia perdido uma parte de mim. E por um bom tempo achei q a dor era por conta do olho seco, mas a infeccão pela qual fui submetida era o maior agente causador da dor.

Roberto Barbato Jr disse...

Thaís, logo irá completar 4 anos que fiz a cirurgia. Hoje, estou bem, mas sempre tenho os olhos um pouco inflamados. Às vezes, faço compressas de água gelada com sacos esterilizados. Isso melhora bastante. Também lubrifico com colírio e, antes de dormir, com Epitegel. Acho que isso será uma constante daqui para frente. Estimo suas melhoras. Espero que meu post lhe tenha ajudado de alguma forma. Abraços. Roberto.

Thais Rodrigues da Silva disse...

Eu tbm só dormia a base do epitegel,ñ conseguia dormir sem tda uma cerimônia de passar o gel, pois tive mto ressecamento noturno, a sensação era que estava com duas bolas de fogo no rosto, tamanha era a ardência. Agora que está melhorando a inflamação, o quadro de olho seco tbm tem deixado de existir e hje ja consigo ficar sem colirio lubrificante e sem o epitegel, mas mantenho fazendo a limpeza diária com o blephagel pq tive blefarite tbm e os olhos continuam enchados. Bom é isso, o susto maior passou q era ficar c a dor p resto da vida, cheguei a pensar no pior (dor neuropática da cornea) em meio a mtos relatos lidos na internet, encontrei algo q falasse a respeito e encontrei tbm uma pessoa a qual sofria dessa dor e usa remédios controlados até hje p controlar a dor, depois de anos de cirurgia. Estarei deixando aqui o meu contato para quem quiser trocar experiência a respeito dessa cirurgia:(11)98998-8683

Anônimo disse...

Eu tbm só dormia a base do epitegel,ñ conseguia dormir sem tda uma cerimônia de passar o gel, pois tive mto ressecamento noturno, a sensação era que estava com duas bolas de fogo no rosto, tamanha era a ardência. Agora que está melhorando a inflamação, o quadro de olho seco tbm tem deixado de existir e hje ja consigo ficar sem colirio lubrificante e sem o epitegel, mas mantenho fazendo a limpeza diária com o blephagel pq tive blefarite tbm e os olhos continuam enchados. Bom é isso, o susto maior passou q era ficar c a dor p resto da vida, cheguei a pensar no pior (dor neuropática da cornea) em meio a mtos relatos lidos na internet, encontrei algo q falasse a respeito e encontrei tbm uma pessoa a qual sofria dessa dor e usa remédios controlados até hje p controlar a dor, depois de anos de cirurgia. Estarei deixando aqui o meu contato para quem quiser trocar experiência a respeito dessa cirurgia:(11)98998-8683

Léia Pendrak disse...

Fiz a cirurgia e surtei, meu olho direito incomodava muito a ponto de não conseguir dormir ficava muito seco tive medo de algo ter dado errado na cirurgia tive crises de ansiedade e precisei tomar calmante estava enxergando 100% até 1mês pos à cirurgia até q começou a embassar. No consultorio o medico disse q era normal hj com 40 dias pos operada estou com 0.75 od e 0.25 oe o ressecamento passou um pouco e o grau se ficar por ai ta bom meu medo é q aumente, antes da cirurgia era 6 od e 8 oe ....

Thais Rodrigues da Silva disse...

Te entendo, mesmo com o quadro de olho seco conseguia chorar todos os dias!

Anônimo disse...

O meu epitélio descola com bastante frequência. Eu "sou acordada pelo meu olho", ou seja, sinto uma verroada nos olhos e preciso me virar para deixar os olhos gotejarem a água que sai deles, depois vem ardência e sensação de areia nos olhos e finalmente uma enorme sensibilidade à luz. Tento me acalmar para a sensação de fogo nos olhos passar e começo com os colírios para ver se conseguirei enxergar para poder ir trabalhar. Nem sempre consigo, pois nao tenho condições de dirigir.
Já fui à diversos médicos e nenhum resolve o meu problema: já usei diferentes colírios, corticoides e antibióticos e nada parece curar...
Será que a solução é aprender a conviver com isso?

Anônimo disse...

O meu epitélio descola com bastante frequência. Eu "sou acordada pelo meu olho", ou seja, sinto uma verroada nos olhos e preciso me virar para deixar os olhos gotejarem a água que sai deles, depois vem ardência e sensação de areia nos olhos e finalmente uma enorme sensibilidade à luz. Tento me acalmar para a sensação de fogo nos olhos passar e começo com os colírios para ver se conseguirei enxergar para poder ir trabalhar. Nem sempre consigo, pois nao tenho condições de dirigir.
Já fui à diversos médicos e nenhum resolve o meu problema: já usei diferentes colírios, corticoides e antibióticos e nada parece curar...
Será que a solução é aprender a conviver com isso?