sábado, 14 de julho de 2012

Irritação


Já que falta tempo para escrever sobre algo interessante, sigamos com mais uma lista. Diferentemente do que sugeriram na semana passada, não farei a lista do “sempre” em contraposição à lista do “nunca”. Sem nenhuma referência direta a Fernanda Young, seguem abaixo coisas que me irritam, embora não me tirem do sério.

Fazer compra em supermercado.

Fazer compra em supermercado com carrinho desalinhado;

Fazer compra em supermercado com carrinho desalinhado e fila grande no caixa;

Jornalistas de baixa capacidade intelectual que aspiram desempenhar papel semelhante ao do Ministério Público (se pudessem, prenderiam todo mundo!);

Apresentadores e apresentadoras de jornais regionais que falam arrastado como se fossem cariocas da gema (a maioria certamente nasceu no interior paulista);

Estudantes fazendo resumos ou fichamentos em mega livrarias (Saraiva, Fnac, Cultura) de livros que nem pretendem comprar (sim, são caras-de-pau mesmo!);

Quando alguém, na fila de self-service ou na escada rolante, fica no empurra-empurra de cotovelos, como se aquilo fosse acelerar o andamento da fila ou da escada;

Gente que tosse e não põe a mão na boca (gente porca, mesmo);

Gente que, ao se servir em restaurante, conversa praticamente em cima da refeição (tem aqueles – uns porcos! – que literalmente babam na comida);

Patrulha ecológica (os ambientalistas parecem pior que os stalinistas);

Lençol de cama com som amplificado (aqueles lençóis novos que ao mínimo movimento fazem um barulhão. Lençol bom é lençol velho);

Animal em prédio (só tolero os peixes....)

2 comentários:

Laura Lauand disse...

Perdigotos na comida são inadimissíveis! Deveria ser proibido falar na fila do self service!

Laura Lauand disse...

Perdigotos na comida são intoleráveis! Deveria ser proibido falar na fila do "sel service"!